quinta-feira, 4 de março de 2010

Desejamos a toda a comitiva socrática o melhor regresso para o bem do país.


O Trucidador Implacável II

O funesto político que hoje ouvimos com voz afectada a dissertar sobre a greve dos funcionários públicos já é nosso conhecido como o Trucidador Implacável, senão lembrem-se aqui.
Hoje começa por dizer mais ou menos isto:
"O governo governa para o interesse do país e para o interesse geral e neste momento não se compreenderia que houvesse uma proposta de actualização salarial que estivesse fora da realidade em que o país se move neste momento, que é um pedido de esforço e de empenho a todos os portugueses." (*)
Pois bem, que ouça:
* o sentimento geral dos portugueses é que este governo e o anterior têm governado para o seu próprio interesse e para o dos seus apaniguados. Querem soluções justas para começarem? Estão aqui.
* mais, um pedido de empenho e de esforço só teria eco se fosse para lhe mandar com um cacete no alto da pinha, a ele e a todos os suspeitos que têm envergonhado o país com as suspeitas mais ignóbeis que começam por aldrabar títulos académicos e que não se sabe onde irão acabar.
* já que está em tempo de confidências e de discurso paternalista, para explicar aos incultos plebeus que têm que apertar o cinto, que comece por divulgar quantos assessores estão ao serviço da corja que nos parasita, como são escolhidos e quanto auferem as sumidades a que nos estamos a referir e que, pelos vistos, fizeram um trabalho tão bem feito que nos arrastaram até esta tragédia grega.
* quem é responsável por o ponto onde as coisas chegaram foi a corja que continua a, impunemente, saquear o país e a dirigi-lo para o abismo grego. O político de tom afectado, a quem parece enfadar o ter que explicar seja o que for, pertence a essa quadrilha. Que faça, pois, um exame de consciência e se suicide em seguida.