sábado, 2 de agosto de 2008

Novo Código de Trabalho



Continuo espantado com a falta de reacção das pessoas à nova lei laboral e à venenosa cláusula que diz que “a proposta de alteração da legislação laboral manteve o que estava em vigor, mas deixou cair a obrigatoriedade de haver um acordo com o trabalhador.” Sinceramente, não compreendo; a única explicação que eu encontro é o povão não ter compreendido o que aquilo significa, da mesma forma que, como eu previra, não compreenderam nada do discurso do Presidente Aníbal… Só pode ser a iliteracia do povo português e, se não for isso, o seu carácter e passividade bovinas.
Bom, eu insisto e volto a fazer um desenho…

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

quod erat demonstrandum




Sempre me ensinaram, e tive bons mestres, que para se ver o valor ou exequibilidade de alguma proposta dever-se-ia estendê-la o mais possível, a ver onde nos levava essa operação fictícia do pensamento... Ora foi o que eu fiz... Já "que a proposta de alteração da legislação laboral manteve o que estava em vigor, mas deixou cair a obrigatoriedade de haver um acordo com o trabalhador. Será isso importante?" Respondo: parece-me que sim... Senão vejamos, se eu tiver uma funcionária a quem pago, por exemplo, 1000 euros e aplicar a lei na sua nova formulação, posso, perfeitamente, dizer-lhe que passo a pagar-lhe apenas 800, sendo o restante pago em espécie, no caso, admitamos e é para verem o ridículo, favores sexuais prestados por mim a que atribuo o valor de 200 euros...
Os meus mestres tinham razão... é sempre um bom princípio levar as coisas aos extremos para ver a sua validade... quod erat demonstrandum...

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Mensagem após a Mensagem...



Leia o resto senhor presidente, leia o resto...

Parece que o presidente da república, inopinadamente, falou hoje ao país pela televisão… Ao que constava, parece que o tema seria a situação geral do país… Eu dir-lhe-ia, se privasse com ele, não vale a pena senhor presidente, quem não vive com não sei quantas reformas, o ordenado e as alcavalas do cargo de presidente não precisa que o senhor lhes explique isso, porque se trata de uma matéria que nós sabemos melhor que o senhor, portanto deixe a RTP fazer mais uns cobres com um reclame qualquer e continue de férias em Boliqueime ou lá onde estiver.
Se na última vez que se dirigiu ao país por via televisiva foi para criticar os excessivos ordenados dos gestores e nada fez para diminuir esse excesso e, ao que julgo saber, não abdicou de nenhum dos seus proveitos que, não serão ilegais ou indevidos, mas que são manifestamente imorais face à situação económica do país, que tanto o preocupava, nada fazendo, igualmente, no sentido de procurar que se chegasse a um tecto limite nas pensões que fosse consentâneo com a moralidade, não se mace mais senhor presidente, nem nos mace a nós, já sabíamos o que podíamos contar consigo e com o séquito que o rodeia, volte para as suas férias, de preferência com eles todos e para bem longe daqui e não voltem… Já agora, escusava de se ter incomodado em vir incomodar o país com as banalidades jurídico/constitucionais que não interessam a ninguém ou a muito poucos... Nas férias leia o resto da Constituição senhor presidente, leia o resto e verá que tem muito e muito mais importante a dizer sobre o pobre país a que preside... Leia o resto...

Mensagem antes da Mensagem...




Comunicação marcada para as 20h poderá referir-se à situação geral do país
Cavaco Silva interrompe as férias para falar hoje à noite ao país pela televisão
31.07.2008 - 07h51 São José Almeida

Parece que o presidente da república, inopinadamente, irá hoje falar ao país pela televisão… Ao que consta, parece que o tema será a situação geral do país… Eu dir-lhe-ia, se privasse com ele, não vale a pena senhor presidente, quem não vive com não sei quantas reformas, o ordenado e as alcavalas do cargo de presidente não precisa que o senhor lhes explique isso, porque se trata de uma matéria que nós sabemos melhor que o senhor, portanto deixe a RTP fazer mais uns cobres com um reclame qualquer e continue de férias em Boliqueime ou lá onde estiver.
Se na última vez que se dirigiu ao país por via televisiva foi para criticar os excessivos ordenados dos gestores e nada fez para diminuir esse excesso e, ao que julgo saber, não abdicou de nenhum dos seus proveitos que, não serão ilegais ou indevidos, mas que são manifestamente imorais face à situação económica do país, que tanto o preocupava, nada fazendo, igualmente, no sentido de procurar que se chegasse a um tecto limite nas pensões que fosse consentâneo com a moralidade, não se mace mais senhor presidente, nem nos mace a nós, já sabemos o que podemos contar consigo e com o séquito que o rodeia, vá de férias, de preferência com eles todos e para bem longe daqui e não voltem

terça-feira, 29 de julho de 2008

Não é com vinagre que se apanham moscas...




Governo quer médicos a trabalhar em exclusivo no serviço público
29.07.2008 - 09h20 PÚBLICO

Não é preciso, sequer, ser inteligente para deduzir o que aconteceria se esta ideia inconcebível do governo que nos desgoverna fosse avante… Cada vez mais, o sector privado tornou-se aliciante para os médicos e já se vem notando uma acentuadíssima saída destes do serviço público para o privado. Ora, se estando as coisas como estão, isto já se verifica o que seria do sector público se esta medida entrasse em vigor? Simples, os bons médicos, aqueles que têm convite do privado, ou já lá trabalham parcialmente, saíam todos e apenas lá ficavam os que o privado não quisesse… quem sofria com isso? Os mesmos de sempre, a arraia-miúda por que os políticos e privilegiados deste país, em caso de necessidade, vão direitinhos ao privado. Pelo menos nunca vi no serviço público nenhum figurão, imaginem um fulano qualquer de tal sentado, se houver lugar, ao lado da fauna que costuma atafulhar as urgências…
Mais, falo apenas como utente que tem olhos, ouvidos e nariz, se fossem médicos o que prefeririam: trabalharem em instalações a cair de podres, com calores infernais, superlotadas, sujas, com pessoal que responde mal, não quer fazer, aparelhos perfeitamente obsoletos, etc, etc, ou, pelo contrário, trabalharem num bom gabinete, com belíssimas instalações, limpas, com pessoal motivado e educado, material recente e adequado, lugar à porta para parar o carrinho e ainda ganhar mais, trabalhando menos? A resposta deixo-a para vós…
Para o governo que nos desgoverna apenas deixo perguntas… como tencionam cativar os médicos? Como é que vão abrir carreiras especiais se têm estado a reduzi-las? Como é que vão equiparar um médico a um outro qualquer licenciado ou um especialista a um outro qualquer especialista nas outras áreas? Como querem aumentar o corpo clínico do público tratando cada vez pior os médicos, enfermeiros e outros funcionários da saúde? Meus caros, não é com vinagre que se apanham moscasnem é no vinagre que V.Exas vivem…

segunda-feira, 28 de julho de 2008

BE praticamente com maioria absoluta no porquemedizem...


Da pequena sondagem que fiz, durante cerca de 30 dias, obtive os resultados que estão à vista… Continuo a pensar que os portugueses não gostam de votar, já que das milhares de pessoas que entraram neste espaço de tempo apenas 144 votaram e, destas, 41 (27%) acabavam por também não votarem em ninguém, já que ou se absteriam, votariam em branco ou anulavam o voto, quem sabe se com alguma piadinha ou graffiti…
Depois o Bloco de Esquerda ficaria muito próximo da maioria absoluta, se não a obtivesse proveniente dos outros partidos inexistentes à data e que seriam os 4 votos, de um eventual partido à esquerda do PS e dos oito que escolheriam outro partido qualquer.
Depois o PSD ficaria com apenas mais um voto que o PCP/PEV e o PS com meros 11 votos estariam perto da extrema-direita, ou seja, partido no poder tornar-se-ia quase residual… Não sei se a grande maioria das pessoas que me visitam são de esquerda, mas parece e parece-me, também, que as pessoas que se dão ao trabalho de ler os textos dos blogues querem uma mudança brusca, que os afaste o mais possível da podridão e compadrio que reinam num bloco central chefiado pela dupla Sócrates / Leite.
Oxalá esta sondagem traduza alguma realidade e daqui a um ano tenhamos todos um sobressalto ou vejamos renascer a esperança… Se fiz alguma leitura errada ou tiverem outras opiniões disponham…

Isso era a Verdadeira Revolução...




Para reduzir a despesa pública
Movimento Mérito e Sociedade quer aplicar taxa Robin dos Bosques aos políticos
Público on line, 28.07.2008 - 16h20 Romana Borja-Santos

O MMS apareceu hoje a propor uma taxa Robin dos Bosques para os político… O país está em crise, é preciso apertar o cinto e os políticos deveriam, em primeiro lugar, dar o exemplo. Propõem, também, a redução do parque de viaturas e, logicamente, os gastos com motoristas, combustíveis e os próprios veículos. Não posso estar mais de acordo, porém iria muito mais longe: 1º quem estivesse reformado não poderia auferir outros rendimentos do Estado, teria que escolher, ou o vencimento ou a reforma; 2º As reformas teriam um tecto limite, nunca podendo ultrapassar o vencimento de um ministro… tenho duas reformas, tenho três, uma é do Banco de Portugal, não interessava… era a mesma coisa para todos, inclusive para o Presidente da República. 3º Os carros do Estado teriam que ser adequados às funções exercidas e apenas utilizados em serviço. Na maior parte dos casos, não se justifica que este ou aquele cargo tenha carro para uso particular, apenas não dou exemplos para não ser injusto com outros casos…
Bem, só aqui, reduzia-se o deficit público… Há, nas empresas públicas ou participadas pelo estado, aplicar-se-iam os mesmos princípios… Isso é que é a verdadeira revolução que falta fazer em Portugal…