quinta-feira, 24 de julho de 2008

Parecem escolhidos a dedo…




O nosso Zé vai desencantá-los aos sítios mais bizarros e cada vez de melhor qualidade, uma coisa é certa e devemos fazer-lhe justiça, ele tem mesmo jeito para se relacionar bem com malfeitores… Após o rol, que num post atrás enunciei, ainda um está a levantar voo, já outro está a chegar, neste caso, Teodoro Obiang Nguema, mais um dos tiranos e corruptos ladrões que pululam por África explorando o seu povo, que morre da doença e da fome, enquanto as fortunas destes malandretes engorda brutalmente a cada dia que passa. Parece que está na moda esta corja vir pavonear-se a Portugal, ou o nosso Zé ir lá fora lutar pela vida, como se isto fosse um covil de ditadores, aliás, não sei se terá sido por acaso que o nosso amigo disse ao Chávez para se sentir em casa… O que, ao que consta, já o próprio Hugo tinha dito que se sentia, só não sei se se puseram os dois em pantufas a queixarem-se dos joanetes e dos calos que os malditos sapatos de cerimónia fazem…
Mas, ainda voltando ao Obiang, vejamos de quem se trata… está considerado como um dos mais ricos presidentes e está no poder desde 1979, após ter chefiado um golpe de estado que derrubou o seu tio, o sanguinário Macias Nguema (parece ser de família) que ele mandou matar, continuou a governar o país como o titio e é suspeito de quase tudo, desde o assassínio ao tráfico de droga, passando pelo canibalismo… Quem o conhece bem são os espanhóis e, quando viu que ninguém o recebia em Espanha, o rei, o Zapatero, nenhum ministro, nem sequer um porteiro, apesar de ser o dia do seu país na Expo de Zaragoza, decidiu vir até cá falar com o zequinha que recebe toda a gente e, pelos vistos, parece que gosta. Porém, uma vez que vimos o artista, convém ver o seu povo, para se ter uma ideia do que se fala...

Em primeiro plano as crianças, confiantes no futuro próspero que as espera graças às enormes jazidas de hidrocarbonetos do país e, em segundo plano, o novo conceito de habitação social que, se calhar, vem a Portugal apresentar como solução para a crise habitacional e para o problema dos ciganos de Loures. É este simpático ditador que nos visita e que receberá os sorrisos e quem sabe festinhas do nosso Zé. Vamos lá ver se ele não lhe come uma orelha... ou outra coisa...

1 comentário:

Jaime Dinis disse...

"...Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com
isso apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção.
Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros.
Este é o maior fracasso da democracia portuguesa...".
Clara Ferreira Alves, "Expresso"