terça-feira, 4 de novembro de 2008

Vai ser o Éden...



“Os bancos que venham a utilizar parte da verba de quatro mil milhões de euros que o Estado colocou à disposição para que as instituições financeiras possam reforçar os seus capitais terão de estar dispostas a financiar a economia, em particular as famílias e as pequenas e médias empresas.”

Os bancos vão, assim, tornarem-se instituições de caridade, vão trabalhar para o bem da sociedade e da economia portuguesa, na ajuda às famílias mais carenciadas e às PMEs. Os banqueiros e grandes capitalistas vão prometer nunca mais fazer tolices e não especularem tanto, agora que o Estado lhes põe à disposição mais dinheirinho para eles terem mais juizito.
Já ouço violinos e harpas tocados por anjinhos, num nimbo dourado em que Sócrates, Teixeira dos Santos, Vítor Constâncio e os banqueiros são as estrelinhas que cintilam, pululando por ali…
Deixemo-nos de merdas. Vão ajudar famílias? Vão ajudar empresas? Vão, como sempre, as deles e as dos amigalhaços.

1 comentário:

Alexandre Corrupto disse...

excelente. como se costuma dizer: de boas intenções está o inferno cheio... mas adaptado diria que este inferno (o nosso) é que já rebentou com as boas intenções dos senhores...

MAMÕES....