sábado, 14 de março de 2009

ARROTOS PÚBLICOS...

João Proença: "Em crise, perdem-se sindicalizados porque o dinheiro da quota faz falta."
Eu diria que o problema, embora exista, nem será tanto esse... A grande questão, a meu ver é quando olhamos para a barriga cheia, para a grande pança cheia deste sindicalista e nos vêm à cabeça outras coisas. Desde logo a oportunidade das suas declarações, o dia em que muitas dezenas de milhares de trabalhadores desfilaram o seu descontentamento contra o que se vive em Portugal à custa deste governo, perdendo o valor de um dia de trabalho, e, alguns fazendo centenas de quilómetros para cá virem, é o mesmo dia em que este pançudo escolhe para vir dizer que o problema foi o novo código laboral não ter entrado em vigor mais cedo... Que besta! Quanto mais não fosse, por espírito democrático e solidário, calava-se ou, melhor, ia ao dito programa e dizia: depois da demonstração que vi hoje nas ruas de Lisboa, tenho que reflectir melhor, pelo que não devo e, portanto, não posso dizer nada neste programa a não ser que iremos reunir para pensarmos melhor o que andamos a fazer.
No entanto, a realidade ultrapassa a ficção... Qual lacaio bem comportado, entre arrotos de pança demasiado cheia, lá foi desbobinando os recados torpes que trazia. Deve ter-se sentido uma estrela de TV. Cá estou eu, cujo o cérebro se encontra preocupado em 90 com a dificuldade de pensar o que conseguirá engolir sem rebentar, a brilhar... Espero que os meus donos gostem de me ver, para me melhorarem o rancho, repetindo o exercício que qualquer cão sabujo deve fazer.
O que eu gostava de o ouvir explicar era a quanto ascendem os seus rendimentos, quem e quanto lhe pagam pelo seu trabalho, somado ainda ao que quer continuar a extorquir aos trabalhadores que ainda não o mandaram à fava e já se esqueceram de outros sindicalistas muito empenhados, de quem nunca mais ninguém ouviu falar como o Torres Couto e o Judas...
Sinceramente, o que me parece que este pançudo merecia era levar uma valente coça no dia que voltasse a ir arengar aos trabalhadores e um valente pontapé no final das costas, naquelas nádegas que acumulam gordura em excesso paga pelo suor dos imbecis que lhe dão de comer.
Mal vai um país em que os sindicalistas se colocam contra os interesses dos trabalhadores, no próprio dia em que dezenas de milhares deles expressam o seu mal estar e o seu apelo desesperado.
Vai-te pançudo e, sobretudo, cala-te. A não ser que seja para revelares quanto ganhas e quanto tens... Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és…

1 comentário:

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Tem toda a razão. Quando o Sócrates diz que os sindicatos estão ao seviço do PCP, esquece-se de dizer que alguns estão ao serviço deste PS. Melhor dizendo: ou eles, ou os seus dirigentes.