quinta-feira, 18 de setembro de 2008

A BURRICE NUNCA DISCORDA...



Para quem não sabe, as casas não se podem ou, pelo menos, creio que não devem ser começadas pelos telhados… Apesar de nem Engenheiro Simplex ser, creio que não devo estar muito errado. Ora, a educação de uma criança é igual, deve-se começar no pré-escolar e não na Faculdade ou no 12º ano…
Bom seria que quem não soubesse do que fala estivesse calado, sobretudo quando é ridiculamente conhecida a ignorância do presidente Aníbal em tudo o que extravase contas e os números mais ou menos merceeiros… Mas, devia ter conselheiros que lhe fossem chamando à atenção para estar calado quando não sabe, senão temos que continuar a sermos envergonhados com os Copeníícos (ouvir aqui) e outras ideias estúpidas como esta.
Quanto à Ministra Maria de Lurdes, também tem que se lhe diga… Do primeiro Ministro Sócrates a história é tão sabida que nem um fax de inglês técnico me dou a trabalho de aqui colocar.
Aqui há uns tempos, para quem não se lembra, Sócrates veio com mais uma das suas promessas, esta que se resume em cima e que podem ver aqui na sua totalidade… Bom, promessas à parte, começa a chegar a realidade, o ensino pré-escolar, em Portugal, é mais do que insuficiente. Ora, se tivermos em consideração que nessas contas não se incluiu a grande maioria das pessoas que nem sequer já o procura no público, tendo que recorrer, sem qualquer hipótese ao privado; temos o espelho da realidade nacional. Tenho-me fartado de dizer aos quatro ventos que é muito mais importante o ensino obrigatório a partir dos 3 anos de idade do que o ensino obrigatório até ao 12º ano, ideia idiota, absurda e demagógica que só pode ser defendida por quem não percebe ou finge que não percebe nada do assunto. Porquê? Porque o processo de socialização infantil tem de começar pelo menos aos 3 anos de idade, com a imposição de regras, o contacto com os pares, com uma realidade extra familiar, etc, etc, etc, onde as crianças são iniciadas no desenvolvimento das suas competências sócio-cognitivas.
Por outro lado, a imposição do 12º ano obrigatório é completamente absurdo, porquanto: em 1º lugar, há muitos indivíduos que não têm capacidades intelectuais para o concluir (excepto nos CNOs), 2º há outros tantos que, pura e simplesmente não querem estudar mais do que o 9º ano e, se há coisa impossível de fazer, é ensinar a quem não quer aprender, 3º é um contra-senso porque aos 18 anos os portugueses atingem a maioridade pelo que, legalmente, não podem ser obrigados a frequentar a escola, 4º porque alunos forçados a frequentar a escola apenas vão permanecer dentro das aulas e não estudar, impossibilitando um ambiente aceitável para os que querem, efectivamente, estudar o fazerem com o ambiente e tranquilidade necessárias, 5º terão razão se não se comportarem da melhor forma, já que, de facto, estão ali obrigados e já não o deviam estar, ora sabendo nós os problemas que já existem nas escolas, imaginemo-las integrando alunos de 26 ou 28 anos a terem de cumprir a pena de fazer o 12º Ano… Poderia estar aqui a colocar razões até amanhã, mas penso que só estas vão chegando…

TUDO O QUE SE DIGA FORA DISTO É CRIMINOSO, ESTÚPIDO E IRRESPONSÁVEL...
Já agora... quantos dos filhos ou netinhos dos nossos políticos andam ou andaram na escola pública???

1 comentário:

Helena disse...

Parabéns pelo post: subscrevo cada linha